Previsão do Tempo

RUSSAS

26ºC

NOTÍCIAS / BRASIL

Cosméticos e bebidas frias podem embutir mais impostos

Óticas Diniz

Diário do Nordeste

26/03/2014

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Como forma de compensar o fraco desempenho da arrecadação de tributos e bancar a escalada de gastos em ano eleitoral, o governo federal deve aumentar os impostos sobre bebidas frias - cerveja, refrigerante, água e isotônico - e cosméticos.

Segundo o secretário-adjunto da Receita Federal, Luiz Fernando Teixeira Nunes, o governo está em busca de alternativas que incrementem a base de arrecadação e cubram o valor estimado de receitas. Para cumprir o compromisso firmado de poupar 1,9% do PIB este ano, o governo calcula que a arrecadação deve crescer 3,5%. No primeiro bimestre, a arrecadação de impostos e demais contribuições cresceu 1,9%, segundo dados divulgados pela Receita Federal.

R$ 4 bilhões a mais

O Ministério do Planejamento elevou em aproximadamente R$ 4 bilhões as estimativas de receita do governo, em relatório divulgado ontem. Segundo Nunes, os cenários que foram apresentados para essa revisão incluem o aumento de impostos e a reabertura do programa de parcelamento de dívidas tributárias - o chamado Refis - para dívidas que venceram em 2013.

"Parte das medidas passarão por aumento de tributos, não sabemos ainda quais. Essa decisão ainda não foi tomada. A Receita foi demandada para construção de cenário", afirmou Nunes. "Os estudos para aumentar os tributos sobre cosméticos e bebidas frias estão finalizados", acrescentou. Segundo o secretário-adjunto, a Receita tem apresentado "uma cesta de possibilidades", mas a decisão de elevar esses impostos está a cargo da Casa Civil e do Ministério da Fazenda.

Impostômetro em R$ 404 bi

Os brasileiros já pagaram mais de R$ 404 bilhões em impostos federais, estaduais e municipais desde 1º de janeiro. Esse valor equivale à média diária de R$ 4,8 bilhões, considerando os 84 dias decorridos de 2014. O cálculo da arrecadação tributária é atualizado, em tempo real, pelo "Impostômetro" da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A marca de R$ 400 bilhões foi alcançada na última segunda-feira, por volta das 19 horas. Em 2013, o registro dessa quantia aconteceu em 3 de abril - 10 dias mais tarde, na comparação com 2014. A soma dos tributos em 2013 chegou a R$ 1,7 trilhão, média de R$ 4,6 bilhões diários.

36,42% do PIB

De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), a carga representou 36,42% do Produto Interno Bruto (PIB) do ano passado.

Com R$ 404 bilhões, é possível comprar quase 15 milhões de carros populares ou erguer mais de 11,5 milhões de casas de 40 metros quadrados, afirma a ACSP. Também dá para construir 1,4 milhão de postos de saúde equipados ou asfaltar 351,5 mil quilômetros de estradas. O recolhimento formal de impostos já é recorde, mas poderia ser maior. Mais de R$ 115 milhões deixaram de ser arrecadados desde o início de 2014, indica o "Sonegômetro".

Similar ao "Impostômetro", essa ferramenta do Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz) estima o rombo da sonegação de impostos. Em 2013, seu primeiro ano de funcionamento, o "Sonegômetro" contabilizou R$ 415 bilhões de perdas para os cofres públicos. Isso representa R$ 1,1 bilhão por dia em prejuízo tributário.

Lucros no exterior

Outra medida anunciada ontem foi que empreiteiras e multinacionais brasileiras de alimentos e bebidas terão tratamento especial na tributação de lucros no exterior. O governo decidiu incluir no relatório da MP 627, que está no Congresso para conversão em lei, a previsão de que apenas estas empresas tenham desconto de até 9% no que deveriam pagar de imposto sobre os rendimentos obtidos lá fora.

A mudança foi divulgada ontem pelo relator da MP, o deputado Eduardo Cunha. O mecanismo funcionará apenas até 2022, segundo o texto. O governo começou a estudar um regime especial para as empreiteiras e as empresas com investimentos produtivos lá fora diante da forte oposição à nova legislação por parte de empresas como Ambev, BRF, JBS e Odebrecht.

Elas argumentavam que terão sua competitividade abalada com as novas regras e ameaçavam se movimentar para tentar obstruir a tramitação da MP no Congresso, que tem de ser votada até o dia 21 de abril ou perderá a validade. Segundo Cunha, a inclusão do dispositivo foi uma decisão do governo, também responsável pela escolha dos setores que seriam beneficiados.

Perda de competitividade

"É uma medida para tentar diminuir o impacto nestes setores, que estavam reclamando da perda de competitividade. Se vai ser ou não suficiente para atender todo tipo de reclamação, não sabemos", afirmou. Desde a edição da MP, no ano passado, as empresas reclamam da forma como os rendimentos serão tributados. Em vez de considerar apenas o lucro verificado lá fora, o texto fala na "parcelo do ajuste do investimento", ou seja, considera o sistema de equivalência patrimonial para o cálculo. Com isso, a carga tributária sobe, segundo as empresas, prejudicando sua expansão no exterior.

A limitação do desconto em 9% permite com que a alíquota de imposto cobrada no Brasil não fique inferior a 25%, o que colocaria o Brasil "praticamente na condição de paraíso fiscal".

OPINIÃO DO ESPECIALISTA

Governo deveria cortar gastos

No mês em que a Receita Federal anuncia mais um recorde de arrecadação tributária, mesmo com o consumo em queda e crescimento econômico inferior à inflação, elevar ainda mais a carga tributária para compensar o aumento nos custos de energia, decorrentes da ineficiência do governo no setor elétrico, significa apenar ainda mais o contribuinte.

Ao invés de aumentar a carga tributária, o governo poderia aproveitar o momento das contas apertadas, para cortas gastos, reduzir despesas e tentar mostrar maior eficiência administrativa. Essa seria a melhor saída. Mas em vez de reduzir despesas, busca-se o caminho mais fácil, que é ampliar a carga tributária, quando o impostômetro já bate os R$ 400 bilhões, em tributos no País. A gente sabe que a função da Receita Federal é buscar arrecadar cada vez mais e mais, mas precisamos compreender que impostos em excesso inibem a atividade produtiva. E é isso que irá acontecer com esses setores, de cosméticos e bebidas frias. Apesar de arrecadar mais, já que os preços desses produtos tendem a subir, a medida vai promover a redução da atividade produtiva desses segmentos. Se a medida passar, o impacto virá em 90 dias, porque não é necessário lei para isso. E tudo isso ocorrendo em mais um ano em que a Receita Federal não corrige a tabela do Imposto de Renda de forma adequada, nem nas pessoas físicas, nem jurídicas. A crítica que nós advogados tributaristas, que os economistas fazemos das contas públicas do País não são pelo lado das receitas. Estas estão muito bem. O problema está nos gastos excessivos do governo, da máquina pública, que não estão compatíveis com as receitas. Há outro aspecto que devemos ficar alerta. O governo pode estar se aproveitando desse momento de crise no setor elétrico, de falta de chuvas e dos reservatórios em baixa, como justificativa para elevar ainda mais os impostos, a carga tributária do Brasil, que é uma das maiores do mundo.

Erinaldo Dantas
Advogado tributarista

Arrecadação bate um novo recorde

Brasília. A arrecadação de impostos e demais tributos pelo governo federal foi de R$ 83,1 bilhões em fevereiro, segundo divulgou ontem a Receita Federal. O resultado é recorde para o mês. Houve uma expansão real (descontada a inflação) de 3,4% ante fevereiro do ano passado, quando foram arrecadados R$ 74,3 bilhões. No 1º bimestre do ano, os tributos somaram R$ 206,8 bilhões. Apesar de ser o melhor desempenho da arrecadação para um mês de fevereiro, o resultado é fraco para o cumprimento das metas fiscais traçadas pelo governo e o equilíbrio das contas públicas. Fatores como a redução da arrecadação de tributos como IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) - apurado sobre salários e lucros -, desonerações tributárias e desempenho fraco de indicadores macroeconômicos, como de produção industrial, comprometeram o resultado. Com as perspectivas de crescimento econômico em queda, a arrecadação de impostos tende a desacelerar.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2018 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados