Previsão do Tempo

RUSSAS

32ºC

NOTÍCIAS / LIFESTYLE

Governo derruba restrições e dará antirretrovirais a todos com HIV

Óticas Diniz

Folha online

01/12/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

O Ministério da Saúde anunciou neste domingo (1º), Dia Mundial de Luta contra a Aids, que o SUS (Sistema Único de Saúde) passará a oferecer medicamentos antirretrovirais a todos os adultos infectados com o HIV, independentemente do estágio da doença e da contagem de células de defesa CD4.
Desde o início de 2013, também passaram a receber o tratamento casais sorodiscordantes (em que um dos parceiros tem o vírus e o outro não), pacientes que têm outras doenças (como tuberculose e hepatite B ou C) e pacientes com CD4 menor de 500 que ainda não apresentaram sintomas.
O objetivo da nova estratégia é reduzir a transmissão do HIV, já que a pessoa em tratamento reduz sua carga viral, e melhorar a qualidade de vida das pessoas infectadas.
Atualmente, além do Brasil, apenas França e Estados Unidos oferecem medicamento antirretroviral a todos os pacientes soropositivos.
A portaria será publicada no "Diário Oficial da União" nesta segunda-feira (2) e, a partir de então, o novo tratamento para adultos com HIV positivo passa a valer em todo o país. O paciente poderá iniciar o tratamento logo após a confirmação da presença do vírus no organismo.
De acordo com o ministério, 313 mil pessoas recebem os antirretrovirais pelo SUS. A expectativa do Ministério da Saúde é que a expansão da oferta do tratamento gratuito beneficie mais 100 mil pacientes apenas em 2014. Isso significa um aumento de 32% no número de pacientes vivendo com HIV com acesso ao antirretroviral.
Os medicamentos serão colocados à disposição nos serviços de atendimento especializado e também nas UPAS (Unidades de Pronto Atendimento).
ESTUDO
O governo vai também iniciar um estudo de profilaxia pré-exposição (PREP) para prevenir a transmissão do HIV entre populações prioritárias, que incluem homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo, travestis, transexuais e pessoas que usam drogas.
A profilaxia pré-exposição é o uso diário de antirretrovirais em pessoas não infectadas pelo HIV, mas que têm risco muito elevado de contrair o vírus.
A ideia é introduzir a estratégia nos serviços de assistência especializada e nas UPAS. O estudo, que será realizado no Rio Grande do Sul, terá prazo de um ano e deve começar no primeiro trimestre de 2014.
O Ministério da Saúde pretende ainda expandir para a rede de atenção básica a profilaxia pós-exposição (PEP), que já é oferecida no SUS desde 2010 nos serviços de assistência especializada.
A profilaxia pós-exposição consiste no uso de medicamentos até 72 horas depois de uma provável exposição ao HIV e já é utilizada em duas situações: em casos de risco de contaminação por HIV de profissionais de saúde, devido a acidentes, e em casos de falha nas medidas de prevenção em relações sexuais. 
O protocolo que era usado pelo SUS não previa o uso de medicamentos a partir do momento que a pessoa contraía o vírus. As drogas só eram ofertadas ao paciente que desenvolvia a Aids e tinha menos de 500 CD4 (células de defesa do organismo) por milímetro cúbico de sangue.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados