Previsão do Tempo

RUSSAS

28ºC

NOTÍCIAS / MUNDO

Vai faltar vinho no mundo, diz relatório; deficit é de 3,6 bi de garrafas

Óticas Diniz

Uol

08/11/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

O mundo está prestes a vivenciar uma escassez global de vinho. A avaliação alarmante foi divulgada na semana passada por pesquisadores da Morgan Stanley Research.

De acordo com relatório da instituição, já em 2012, a oferta mundial de vinho não superou a demanda. Houve uma sub-oferta de aproximadamente 300 milhões de caixas da bebida -- ou 3,6 bilhões de garrafas--, que deveriam ter sido produzidas a mais para suprir a ânsia do mercado. Foi o maior deficit dos últimos 40 anos.

Segundo o Morgan Stanley, o pico da produção mundial foi alcançado em 2004, com a oferta superando a demanda em 600 milhões de caixas.

Desde então, o fornecimento vem caindo. Só na Europa, responsável por cerca de metade do vinho consumido no mundo, a queda registrada na produção desde 2004 foi de 25%, e de 10% só no ano passado.

Para os pesquisadores, entre as principais causas da diminuição da produção estão a ocorrência de condições climáticas desfavoráveis no continente europeu e a prática de alguns produtores de destruir parte das vinícolas para evitar superprodução e achatamento de preços.

Na contramão da queda de fornecimento, tem aumentado o consumo mundial da bebida, impulsionado principalmente por Estados Unidos, China e Rússia.

Os EUA, inclusive, são considerados hoje o segundo maior consumidor mundial de vinho, atrás apenas da França. Já a China aparece em quinto lugar no ranking global de bebedores.

Em curto prazo, a conseqüência da diminuição de produção e aumento do consumo, segundo o relatório, será a redução dos estoques, com uma maior saída de vinhos de safras antigas.

Para especialista, é errado avaliar a situação do vinho como crítica

Para estudiosos do setor, a análise do Morgan Stanley, porém, é considerada especulativa e irreal.

Michele Fino, professor de Direito Romano da Universidade dos Estudantes de Ciência Gastronômica de Pollenzo, diz que é errado atribuir uma classificação de "estado crítico" para bens de consumo como o vinho.

"O vinho não é um elemento essencial à vida, como o grão e o cereal. Por isso, aplicar a lógica do grão para falar de vinho é errado. O vinho é um produto hedonístico [relacionado à busca por prazer], que tem uma grande tradição e um grande valor cultural", disse.

Segundo o especialista em gastronomia, graças a esses valores, sempre deverá haver espaço no mercado mundial para o vinho. "Mas ele não se tornará um bem necessário. Isso é impossível. Vive-se sem vinho, e vive-se inclusive bem. Nós acreditamos apenas que se vive melhor com um pouco de vinho."


DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados