Previsão do Tempo

RUSSAS

25ºC

NOTÍCIAS / MUNDO

Pesquisa do Ibope mostra a vitalidade do rádio

Óticas Diniz

O povo

04/11/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Se você é daqueles que acreditam que ouvir rádio é um costume que ficou no século passado está na hora de pausar a tecla shuffle do mp3 e rever seus conceitos. O rádio está mais vivo que nunca e é companhia constante de 73% dos brasileiros.

É o que revela a pesquisa Tribos musicais, que acaba de ser divulgada pelo Ibope Media. De acordo com o estudo, os ouvintes de rádio no Brasil estão presentes - em maior ou menor grau - em todas as classes sociais, todas as faixas etárias e em todos os níveis de escolaridade.

Além disso, pode-se dizer que o rádio foi um precursor da tendência atual da simultaneidade de plataformas. Certamente o leitor lembrará que em geral ligava o rádio para executar outras tarefas. Até nisso, o rádio mantém-se “uptodate”.

A pesquisa mostra que hoje em dia o consumo de rádio acontece ao mesmo tempo com outros meios de comunicação. Dezenove por cento dos entrevistados, por exemplo, ouvem rádio enquanto acessam a internet; 16% enquanto assistem à programas de TV e 12% enquanto leem jornais e revistas.

Sem falar naqueles que ouvem rádio através da própria web, um comportamento que cresce a cada dia.

Dos ouvintes de rádio do século 21, 96% recorrem ao meio para ouvir músicas (disparado, a utilidade mais apontada pelos usuários). Outros 70% sintonizam o veículo para se informar das notícias do dia. Para 31% dos pesquisados, a principal função do rádio é fornecer relatos sobre esportes; e 21% giram o dial em busca de entretenimento em programas humorísticos.

Perfis
A maioria dos ouvintes, segundo o levantamento do Ibope, está na classe C (48%). Mas a classe B contribui expressivamente para o contingente dos que escutam rádio fornecendo 36% do total. Da classe CDE vêm 11% dos consumidores deste veículo e os outros 5% pertencem à classe A.

Pessoas com ensino médio representam 36% do universo do público radiofônico no Brasil, a maioria quando se leva em consideração o nível escolar. Já as faixas etárias predominantes são as entre 25 e 34 anos (22%) e 35 e 44 anos (19%).

Como ouvir música é o objetivo principal de quem liga o rádio, atentar para os padrões de gosto e comportamento deste ouvinte é abrir portas para compreender muito do Brasil contemporâneo.

Os ritmos preferidos do brasileiro, ambos com 58% de indicações, são o Sertanejo e o que a pesquisa chamou de “Mais pedidas”, reunião das músicas do gênero pop e internacional.

No gráfico abaixo é possível observar o perfil do ouvinte de cada gênero musical no rádio e ter várias surpresas. Uma delas é a interseção insuspeitada que há entre grupos aparentemente distintos como os apreciadores de música Gospel e os admiradores de Funk. Surpreenda-se!

NÚMEROS

96%
dos ouvintes sintonizam o rádio para ouvir música

70%
dos ouvintes usam o rádio para acompanhar notícias

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados