Previsão do Tempo

RUSSAS

29ºC

NOTÍCIAS / CEARÁ

Ceará atua pouco no combate à violência a mulheres, diz IBGE

Óticas Diniz

Redação

15/03/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Em 2012, de nove estados do Nordeste, cinco não atuavam na execução de políticas públicas para combater a violência contra as mulheres: Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Sergipe. Outro estado que não combate a violência contra a mulher por meio de instrumentos estaduais é Rondônia.

 

Esses estados, porém, assim como os demais, com exceção de São Paulo, têm secretarias ou setores responsáveis para a política de gênero.

 

Já os estados que mais atuaram em relação aos direitos da mulher nas áreas de educação, trabalho, saúde, segurança pública, violência, cultura, política e justiça foram Roraima, Maranhão e Mato Grosso. Os que atuaram em menos áreas de atendimento às mulheres foram Piauí, Paraíba e Minas Gerais.

 

Estas são algumas das revelações da Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic), trabalho inédito do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado nesta sexta-feira (15).

 

A pesquisa, coordenada pela pesquisadora do IBGE Vania Maria Pacheco, foi feita em 27 unidades da federação e traçou um perfil da gestão estadual.

 

Política de gênero foi um dos temas escolhidos pelos pesquisadores. Segundo a pesquisadora do IBGE Cristiane Soares, a criação no âmbito federal da Secretaria de Políticas para as Mulheres, em 2003, permitiu lançar diretrizes para uma atuação coordenada das estruturas públicas nas três esferas de governo - federal, estadual e municipal – para a execução de políticas em defesa das mulheres.

 

Delegacias da Mulher

A pesquisa revela ainda que todos os estados têm Delegacias da Mulher. São Paulo, apesar de não ter secretaria ou setor responsável para tratar da política de gênero, tem o maior número de Delegacias da Mulher: 121. Em segundo lugar vem Minas Gerais, com 53, e, em terceiro, Santa Catarina, com 23. O Estado do Rio tem 12 unidades. Rondônia, Roraima e Distrito Federal têm apenas uma delegacia para atender às mulheres vítimas de violência.  

 

Presídios exclusivamente femininos e núcleos especializados para mulheres em Defensorias Públicas existem em 24 estados, segundo a pesquisa do IBGE.

 

As informações sobre o número de mulheres em situação de violência, bem como o tipo de violência sofrida são coletadas em apenas 18 estados. O menor percentual de estados que coletam essas informações fica na Região Sudeste, enquanto no Centro-Oeste, todos os estados fazem o levantamento. Os dados são levantados pelas Secretarias da Mulher e Secretarias de Segurança Pública, segundo a pesquisa.

 

A Estadic, produzida ao longo de 2012, traz informações sobre as gestões estaduais a partir da coleta de dados sobre temas como recursos humanos, conselhos e fundos estaduais, política de gênero, direitos humanos, segurança alimentar e nutricional e inclusão produtiva. A pesquisa foi feita com base nos registros e informações fornecidos pelos gestores estaduais de todos os estados e do Distrito Federal. Segundo os pesquisadores, o plano é que a Estadic seja anual.

 

“A pesquisa auxilia tanto a sociedade civil que passa a conhecer um pouco mais do que é considerado como política pública dentro dos estados, como também os gestores estaduais que pode enxergar melhor o que o estado proporcionou para a população e com isso elaborar outras políticas públicas que sirvam de amparo e de sustentação para o que já vem sendo feito”, disse Vânia.

 

Posição dos estados

Na Paraíba, a secretária executiva da Mulher e da Diversidade Humana, Gilberta Soares, disse desconhecer os critérios utilizados na pesquisa e afirmou que ao contrário do que foi dito pelo IBGE, o estado tem sim diversas políticas públicas para combater a violência contra as mulheres. “Nós temos várias políticas nessa área. Estamos atuando com uma rede de combate à violência, que é intersetorial e reúne órgãos do governo, o judiciário, o Ministério Público e a Defensoria Pública para planejar ações em conjunto”, disse.

 

Gilberta disse ainda que a secretaria instalou uma Casa Abrigo em João Pessoa e um Centro de Referência em Campina Grande para dar assistência a mulheres vítimas de violência. “Não só a secretaria tem políticas, o Governo todo tem”, afirmou. Por fim a secretária mencionou também que a Secretaria da Mulher tem um trabalho de parceria constante com a Secretaria de Segurança Pública e com a Secretaria de Desenvolvimento Humano.

 

O governo do Rio Grande do Norte informou que possui uma coordenadoria estadual de política voltada para as mulheres - ligada à Secretaria de Justiça e Cidadania, cinco delegacias especializadas no atendimento à mulher e um centro de referência de assistência social à mulher.  O governo do estado informou ainda que será lançado nos próximos dias o programa ´Mulher sem Violência´, justamente com o objetivo de combater a violência contra a mulher.

 

Em Rondônia, a delegada da Delegacia de Amparo à Mulher (Deam),  Edna Mara de Souza, disse que no estado  existe apenas uma rede de atendimento e de proteção à mulher, cuja função é aplicar a lei e instaurar os inquéritos.

 

A secretária especial de política para mulheres do governo de Sergipe, Maria Teles dos Santos ,recebeu com surpresa os dados da pesquisa. Já que, segundo ela, há dois anos a secretaria começou um trabalho de implantação de Centros de Referência da Mulher. “Foram criados três centros de caráter regional nas cidades de Tobias Barreto, Itabaiana e Carmópolis.  E outros três estão em fase conclusão e vão atender as cidades de Estância, Poço Redondo e Propriá. Além disso, temos um centro municipal na cidade Barra dos Coqueiros”.

 

Vânia Maria Pacheco, pesquisadora do IBGE (Foto: Lilian Quaino/G1)

 

Entre os serviços ofertados estão o atendimento psicossocial e jurídico para mulheres da região. “Sergipe é o único estado que cobre praticamente 90% dos seus munícipios com o serviço de apoio às mulheres.” Ela revelou ainda que existe uma psicóloga da equipe da secretaria trabalhando dentro da Delegacia de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DEAGV) na capital sergipana.  “Nosso intuito é colaborar com o trabalho que é realizado por lá. Estamos negociando com a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe para que sejam implantados núcleos de DEAGVs dentro dos Centros de Referência da Mulher no Estado”, finalizou.

 

Segundo o  governo do estado do Ceará,  a Coordenadoria Estadual de Políticas para Mulheres foi criada em 2010. A coordenadoria é responsável pela articulação de todas as ações com foco na valorização, defesa de direitos e promoção de igualdade feminina no âmbito do poder estadual, de acordo com o governo do Estado. O órgão também tem a tarefa de coordenar em todas as secretarias estaduais ações dessa natureza. A coordenadoria é vinculada ao gabinete do governador.

Fonte: G1 CE

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados