Previsão do Tempo

RUSSAS

25ºC

NOTÍCIAS / CEARÁ

Número de mulheres assassinadas no Ceará cresce 15%

Óticas Diniz

Redação

09/03/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Entre 2010 e 2012, a quantidade de mulheres assassinadas no Ceará saltou de 171 para 197. (Foto: Alcides Freire)

Sete anos após ter sido sancionada a Lei Maria da Penha, os casos de violência contra a mulher continuam crescendo. Nos últimos três anos, a quantidade de mulheres assassinadas no Ceará saltou de 171 para 197, um aumento de 15,2%. Na Capital, o crescimento foi de 14,9%: foram 67 homicídios em 2010 contra 77 em 2012. Os números são da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e foram oficiados pelo Núcleo de Gênero Pró-Mulher do Ministério Público Estadual (MPE).
 

O aumento é resultado da “cultura machista”, defende Rena Gomes, titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). “Nunca se prendeu tantos homens agressores quanto hoje. Desde que a Lei Maria da Penha foi implantada, foram presos cinco mil em Fortaleza”, afirma. A cada ano, são presos cerca de 600 agressores. A pena varia de três meses a 30 anos.
 

A Secretaria Executiva Regional (SER) VI é a área da Capital com o maior número de casos de violência contra a mulher, sendo Messejana o bairro que lidera as ocorrências, de acordo com dados de uma pesquisa desenvolvida pelo Observatório da Violência Contra a Mulher (Observem), da Universidade Estadual do Ceará (Uece).
 

“Além de ser populosa, a Regional VI apresenta os maiores percentuais em termos de população total e de pessoas na extrema pobreza, no qual 23 bairros apresentavam um percentual acima de 4% da sua população vivendo com até R$ 70 mensais dentre os 29 existentes”, informa a pesquisa do Observem.
 

Diante do diagnóstico apresentado no relatório, órgãos de defesa da mulher se uniram no dia 25 de novembro - Dia Internacional de Enfrentamento da Violência contra a Mulher - de 2012 com o compromisso de promover ações de combate ao longo deste ano. Um debate ontem marcou o início do projeto na Escola Estadual Deputado Paulo Benevides, em Messejana.
 

O intuito é conscientizar e problematizar sobre a Lei Maria da Penha com população do bairro, em especial os jovens, detalhou Elizabeth das Chagas, coordenadora do Núcleo de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher da Defensoria Pública. Segundo ela, 94% das mulheres sabem que existem a lei, mas apenas 13% conhecem o conteúdo.
 

Magnólia Barbosa, procuradora e coordenadora do Núcleo de Gênero Pró-Mulher do MP, lembra que Messejana foi escolhida para ser o bairro-modelo. Outras regiões devem passar pela mesma iniciativa. “Acho que tem aumentado a coragem da mulher de denunciar. Antes da lei, as mulheres tinham medo”, avalia.
 

Serviço
 

Para denunciar casos de violência contra a mulher:
 

Ligue 180. Você também pode chamar o Ronda do Quarteirão do seu bairro.

Via O Povo

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados