Previsão do Tempo

RUSSAS

35ºC

NOTÍCIAS / POLÍTICA

PF confisca celular do ex-procurador Marcello Miller

Óticas Diniz

Diário do Nordeste

12/09/2017

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

A Polícia Federal apreendeu o telefone celular do ex-procurador da República Marcello Miller, alvo da Operação Bocca, deflagrada nesta segunda-feira, 11. Miller é suspeito de fazer jogo duplo em favor da J&F; enquanto era procurador.

O objetivo dos investigadores é examinar correspondências de Miller por mensagem de texto, WhatsApp, e-mails e outros aplicativos. Peritos federais criminais podem até resgatar comunicações antigas do ex-procurador.

Agentes fizeram buscas na casa de Miller, no bairro da Lagoa, no Rio, e também nas casas dos empresários Joesley Batista, dono da J&F;, do executivo Ricardo Saud, e na sede da empresa, em São Paulo.

Miller teve a prisão requerida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de quem integrou o gabinete durante três anos. A custódia foi negada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal. Joesley e Saud estão presos.

O ex-procurador prestou depoimento dia 8 de setembro por mais de 10 horas na Procuradoria Regional da República, no Rio. Miller confirmou ter se reunido com executivos da J&F.;

No depoimento, Miller admitiu que viajou a São Paulo para se reunir com Joesley quando ainda exercia o cargo de procurador da República.

Ele disse que a passagem foi paga pelo escritório Trench Watanabe um dia depois de ter apresentado seu pedido de exoneração do Ministério Público Federal, em 23 de fevereiro.

Segundo o ex-procurador, ele participou do almoço o diretor jurídico do Grupo J&F; Francisco de Assis e Silva. Depois do almoço, disse Miller, o executivo do grupo Ricardo Saud o acompanhou à residência de Joesley.

Na casa do principal acionista da JBS, Saud teria exibido um documento com proposta de delação premiada. Miller afirma que limitou-se a fazer correções de natureza ‘gramatical’ no texto.

Marcello Miller, no entanto, negou peremptoriamente ter tratado da delação ou auxiliado a empresa no acordo. "Em momento algum fez isso", afirma o advogado Andre Perecmanis, que defende o ex-procurador.

Segundo Marcello Miller, ele não teve contato com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, desde outubro de 2016. O ex-procurador afirma que estava ‘completamente afastado’ da Operação Lava Jato desde aquele período.

O advogado de Miller deve entregar hoje ao Supremo uma defesa escrita, analisando ponto a ponto as suspeitas que recaem sobre o ex-procurador. Marcello Miller vai abrir mão dos sigilos bancário e fiscal.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados