Previsão do Tempo

RUSSAS

35ºC

NOTÍCIAS / NEGÓCIOS

Exportações pelo Ceará crescem 87,4% em 2017

Óticas Diniz

Diário do Nordeste

11/09/2017

Enviar por e-mail
Imprimir notícia
Artigos vendidos e comprados pela CSP interferiram significativamente na balança comercial cearense compilada pelo Ministério ( Foto: Helosa Araújo )
Artigos vendidos e comprados pela CSP interferiram significativamente na balança comercial cearense compilada pelo Ministério ( Foto: Helosa Araújo )

Já as importações feitas pelo Estado apontaram uma redução de 46%, de acordo com dados divulgados pelo Mdic.

Mesmo com déficit de US$ 245 milhões na balança comercial do Estado entre janeiro e agosto de 2017, as exportações pelo Ceará nesse período tiveram um crescimento nominal de 87,4% em relação aos oito primeiros meses de 2016. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), as vendas ao exterior somaram US$ 1,2 bilhão no acumulado de 2017, ante US$ 685 milhões entre janeiro e agosto do último ano.

Já as importações pelo Estado registraram uma queda de 46% no mesmo período: as compras do exterior registraram US$ 1,5 bilhão em 2017, ante US$ 2,8 bilhões nos dois primeiros quadrimestres de 2016.

Somente no mês de agosto, a balança comercial registrou um déficit de US$ 56,2 milhões, resultado da diferença de US$ 156 milhões exportados e US$ 212 milhões importados.

Com o impacto da produção de placas pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), a exportação de produtos semimanufaturados, de ferro ou de aço, corresponde a quase metade de todo o volume exportado de janeiro a agosto deste ano pelo Estado - US$ 626 milhões (48,7%).

Em agosto, o volume de exportação do produto alcançou US$ 68,6 milhões, o equivalente a 43,8% do total de produtos exportados no mês. O segundo produto mais exportado no Estado, tanto no acumulado do ano quanto no mês de agosto, foi a castanha de caju, fresca ou seca, sem casca.

Representando 4,7% do volume exportado em 2017, US$ 61,1 milhões do produto foram vendidos a países do exterior, dos quais US$ 8,6 milhões no mês passado. Calçados de borracha ou plástico, com tiras superiores, ficaram em terceiro no ranking anual, com US$ 52,7 milhões vendidos até agosto.

Por outro lado, no ranking mensal, o terceiro lugar em volume de exportação foi ocupado pelas lagostas congeladas. Mais de 260 toneladas da iguaria foram vendidas a outros países, movimentando US$ 6,3 milhões. Completam o ranking mensal outros calçados de borracha e plástico (US$ 6,2 milhões) e couros e peles inteiros (R$ 5,7 milhões), e o anual, sucos de frutas ou produtos hortícolas (R$ 46,8 milhões) e gás natural liquefeito (US$ 45,9 milhões).

Destinos

Nesse ano, os países para os quais o Ceará mais vendeu foram Estados Unidos, com US$ 306,4 milhões (23,8% do total exportado); México, com US$ 219 milhões (17,1%); Argentina, US$ 82,6 milhões (6,4%); Itália, US$ 74,2 milhões (5,7%); Turquia, US$ 71,1 milhões (5,5%); Coreia do Sul, US$ 61,8 milhões (4,8%); Hungria, US$ 37 milhões (2,8%); Canadá, US$ 27 milhões (2,1%); Alemanha, US$ 26,3 milhões (2%); e França, US$ 25,7 milhões (2%).

Importações

Também impactado pela atividade da CSP, o principal produto adquirido no exterior em 2017 pelo Ceará foi a hulha betuminosa, que serve de insumo para a indústria local, por US$ 335 milhões, o equivalente a 21,9% de todo o montante importado no período. No mês de agosto, o produto também foi a principal aquisição externa e representou 17,4% das compras realizadas, com o montante de US$ 37,1 milhões.

O segundo produto mais importado, tanto no mês como no ano, foi o gás natural liquefeito, com o custo de US$ 189 milhões em 2017 (12,4%), dos quais US$ 35,5 milhões em agosto (28,4% das importações do mês). Em terceiro lugar de ambos os rankings estão outros trigos e misturas de trigo com centeio, insumo para os moinhos do Estado, que custaram US$ 113 milhões no ano (7,41%), dos quais US$ 22,6 milhões no mês passado (10,6%).

No ano, ocupam o quarto e quinto lugares, respectivamente, outras hulhas, com US$ 43,9 milhões (2,87%) e algodão, não cardado nem penteado, com US$ 40,1 milhões (2,6%). Já no ranking de agosto, a castanha de caju ficou na terceira colocação, com US$ 8,7 milhões (6,9%), e outros óleos de dendê, com US$ 6,4 milhões (5,1%), em quarto.

Compras

Em 2017, os países aos quais o Ceará mais comprou foram China, com US$ 260 milhões (16,9%); Estados Unidos, com US$ 186 milhões (12,2%); Colômbia, US$ 163 milhões (10,7%); Argentina, US$ 134 milhões (8,8%); Austrália, US$ 130 milhões (8,5%). Nigéria, US$ 115 milhões (7,5%); Alemanha, US$ 62 milhões (4,1%); Moçambique, US$ 46 milhões (3,0%); Índia, US$ 43 milhões (2,8%); e Angola, US$ 35 milhões (2,3%).

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados