Previsão do Tempo

RUSSAS

28ºC

COLUNISTAS / CARLOS EUGÊNIO

Eleições 2018: puseram o país numa encruzilhada

Óticas Diniz

Carlos Eugênio

24/04/2017

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

O tema não é novo, mas a discursão renova-se a cada instante. Quando os ministros do STF decidiram transformar aquela Corte numa Casa Legislativa, e julgaram como inconstitucional, o financiamento privado de campanhas – um juízo equivocado, diga-se de passagem – reportei-me algumas vezes sobre o risco dessa decisão. Não deu outra! O país agora se encontra numa encruzilhada.
     Quem defenderá a volta do financiamento privado de campanhas nesse momento tão crítico? Ninguém! Não há mais tempo para convencer a sociedade, de que esta ainda é a melhor opção. Afinal, as eleições 2018 já estão batendo a nossa porta, e a lei eleitoral exige que se definam regras, num prazo mínimo de um ano do pleito.
     Mas se deixar as coisas como estão, e nada for feito para assegurar uma eleição com o mínimo de lisura possível, sabe o que ocorrerá, meus caros? O crime organizado financiará as eleições do próximo ano. Nem precisa alongar-se sobre o futuro desse país na ratificação dessa hipótese, não é mesmo?
     Bem, o que nos resta então, diante da iminente encruzilhada? Sobrou a proposta da quadrilha que institucionalizou a corrupção no país: o financiamento público com voto em lista fechada. Essa tese foi defendida pela esquerda, logo após o mensalão, e voltou ao debate recentemente. 
     Ah Carlos, o que você acha desse projeto? Um lixo! É tirar o direito do brasileiro de saber em quem está votando. É patrocinar campanhas com o dinheiro do cidadão, que muitas vezes more sem atendimento nas filas dos hospitais, e tem uma educação pública pífia. Além do mais, muitos investigados da Lava Jato estão vendo nessa proposta, a luz no fim no túnel para driblar o eleitor e conseguir um novo mandato. 
     Bem, mas não vejo outra opção no momento: ou terá financiamento público com lista fechada, ou continuará o sistema atual – os candidatos podendo usar recursos próprios, e receber doações de pessoas físicas. O que existe de errado nisso? O crime organizado entrará com toda força na disputa eleitoral. Portanto, para 2018, só nos resta à aprovação da lista fechada com financiamento público, ou mudar de país. 
     Mas a sociedade tem um papel do qual não pode fugir: exigir que os legisladores eleitos em 2018, façam uma reforma política regulamentando regras criteriosas para o financiamento de campanhas por pessoas jurídicas, e estabeleçam o voto distrital para as eleições de 2022.
     Só vejo esse caminho para tirar o Brasil dessa encruzilhada. É nisso que dá quando um poder resolve ir além de suas funções. É o que nos resta diante de um legislativo acovardado, que não cumpre sua função de legislar em defesa das instituições.   

Carlos Eugênio

Nasceu em Russas - CE. Graduado em Português Licenciatura Plena pela Universidade Vale do Acaraú; (UVA), Especialista em Ensino da Matemática e Física pela Faculdade Vale do Salgado (FVS). Professor, colunista do Jornal Correio de Russas e da TV Russas.

Carlos Eugênio

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados