Previsão do Tempo

RUSSAS

24ºC

COLUNISTAS / AGAMENON VIANA

Brasil: Anos 90, a salada sonora, o advento do CD e da internet

Óticas Diniz

Agamenon Viana

19/12/2016

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Na década de 1990, o mundo presenciou uma nova etapa evolutiva na gravação e reprodução de áudio com a chegada do compact disc (CD). Os direitos autorais em música perderam mais ainda as estribeiras, além de acabar vorazmente com o monopólio elitista de todas as gravadores de Long Plays (bolachões de vinil). De lá para cá o que temos visto é um degringolar sem precedentes, pirataria, desrespeito por autoria, regravações e adaptações ao bel-prazer de tudo quanto é aventureiro e mercenário infiltrado no meio. A internet, essa caixa de Pandora, continua cada dia mais e mais liberal, aceitando e reproduzindo tudo o que dá na telha dos amantes do lucro, da vaidade e do desmedido prazer de adulterar. Sei que ela é democrática, e isso é o lado bom do dilema. O mundo já está mesmo mergulhado de vez no mar cibernético e se um dia sair desse virtual e sombrio mundo, será para entrar noutro derivado deste.  E com isso, será que a música popular ganha ou perde? Ganha, à medida que concede a cada anônimo artista expor sua criação, fazer seu vídeo, vender seu peixe, coisa que não acontecia antes, e perde o artista famoso que antes vendia seu disco e que agora tem que vender mesmo é o seu Show. A net dá acesso a todos os que desejam encher seu pen drives de tudo quanto é tipo de som do planeta, sem cobrar nada.   
         
Mas como a diversidade é o que importa, digo que os anos 90, formaram para mim a salada musical, simplesmente pela grande mistura, vejamos: despontou naquele cenário um forte caráter romântico nas vozes agudas de Chitãozinho e Xororó, e outras duplas como João Paulo e Daniel, e Leandro e Leonardo. No segmento Rap tivemos O Rappa, Planet Hemp, Racionais MCs, Pavilhão 9 e Gabriel, o Pensador. Já o Rock começou a misturar o caldo, a banda Raimundos, fundiu o Rock mais agressivo com Baião e o Repente como o maluco beleza Raul, já havia feito há quase duas décadas; A banda mineira Pato Fu, veio mostrando algo mais sensível em suas execuções; enquanto a banda Skank apelou para as repetidas batidas do Reggae. No campo da MPB, o violonista João Bosco trilhou vários caminhos rítmicos exibindo um ecletismo sem precedentes e pode-se dizer que, assim como o Gonzaguinha, transcendeu os limites da temática da MPB, compondo canções declaradamente engajadas.

Ouvia-se de Adriana Calcanhoto, a Beto Barbosa: de Daniela Mercury, a Raça Negra, de Os Paralamas do sucesso a Gabriel O Pensador, com a sua Lôra Burra.

Agamenon Viana

É poeta, escritor de contos e crônicas e membro da ACADEMIA ARACATIENSE DE LETRAS, cadeira 28. É compositor e protagonista de vários estilos musicais, os quais ele mesmo arranja e interpreta. É violonista, mas recentemente passou a usar também a viola caipira. Fez apresentações em programas de televisão em Fortaleza, na TV DIÁRIO, TVC e TV ASSEMBLÉIA, sempre divulgando suas inéditas criações e sendo um defensor da cultura popular e as tradições do sertão nordestino.


Agamenon Viana

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados