Previsão do Tempo

RUSSAS

25ºC

COLUNISTAS / AGAMENON VIANA

A Música Popular do Brasil VIII

Óticas Diniz

Agamenon Viana

04/07/2016

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Nos anos vinte a música popular brasileira começa oficialmente a passar por uma transformação. Era a era do rádio despontando e pesquisas nos indicam que:
Em meio a esse processo de legitimação a atividade dos músicos populares assumiu um caráter ambíguo, pois ocupava uma posição inferior em relação à música erudita europeia, mas ao mesmo tempo era largamente difundida pela sociedade e reconhecida como uma importante expressão cultural por alguns agentes da cultura legítima. Além disso, vale destacar que “a identidade de músico oferecia uma compensação a outros signos sociais bem mais negativos, como ser ‘negro’, ser ‘pobre’, ‘não ter escolaridade’ ou ser ‘uma mulher separada do marido. É essa ambiguidade da condição do músico popular que oferece uma base para compreender a vaidade e ressentimento dos músicos testemunhada pelos escritores da época. Catullo da Paixão Cearense, autor de “Luar do Sertão” se irritava e se recusava a continuar quando não o ouviam declamar sua poesia em silêncio”.
 
“Ernesto Nazareth era descrito como fechado em uma “torre de marfim” por algumas pessoas que o conheceram e Chiquinha Gonzaga reclama amargamente, nas raras cartas encontradas por sua biógrafa, Edinha Diniz, sobre a “injustiça” que sofreu ao ter suas composições “boas e lindas” preteridas por “tudo que há de indecente, porco e nojento” dos novos compositores”.
Com isso se vê que os produtores da época já estavam começando a impor o seu interesse em ganhar mais com as medíocres composições que caíssem no gosto popular e fossem mais comerciais.

A partir de 1902 já se gravava na casa Edison no Rio de Janeiro: canções, dobrados, valsas, polcas, lundus. Os sucessos populares dos primeiros vinte anos do século XX não eram só de músicas brasileiras. Havia valsas, tangos brasileiros, dobrados, jongo, e até ritmos importados. Os maiores sucesso dessa época eram as canções: “Ô abre alas” da Chiquinha Gonzaga, o dobrado “American Patrol”, “Ontem ao Luar”, “A Conquista do Ar”, “Stars and stripes forever”, “Caboca de Caxangá”, “O Forrobodó”, “O meu Boi Morreu”, “Flor do mal”, “Já te Digo”, “Apanhei-te Cavaquinho”, “Atraente”, “Canção do Marinheiro”, “Pelo telefone”, “why Dont You do Right?” cantada pela cantora Peggy Lee, “Samba de nego”, “Urubu e Tristezas do jeca”.

Em 1923 começam as transmissões da rádio Sociedade por Roquette Pinto, mas foi a rádio Mayrink Veiga a mais importante do Rio de Janeiro nos anos 30 e 40.
A partir da década de 1930 é completamente novo o panorama na divulgação da nossa música, sendo o rádio seu maior veículo.

Continua na próxima edição.

Agamenon Viana

É poeta, escritor de contos e crônicas e membro da ACADEMIA ARACATIENSE DE LETRAS, cadeira 28. É compositor e protagonista de vários estilos musicais, os quais ele mesmo arranja e interpreta. É violonista, mas recentemente passou a usar também a viola caipira. Fez apresentações em programas de televisão em Fortaleza, na TV DIÁRIO, TVC e TV ASSEMBLÉIA, sempre divulgando suas inéditas criações e sendo um defensor da cultura popular e as tradições do sertão nordestino.


Agamenon Viana

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados