Previsão do Tempo

RUSSAS

28ºC

COLUNISTAS / AGAMENON VIANA

A Música Popular do Brasil V

Óticas Diniz

Agamenon Viana

04/04/2016

Enviar por e-mail
Imprimir notícia



O mundo da arte sempre apreciou as novidades, assim é que o ritmo maxixe teve seu grande embaixador no exterior. O ex-dentista baiano Antonio Lopes de Amorim, o Duque com a bailarina Maria Lino, que lançaram a nova dança em salões de Paris. O maxixe que em nossa terra era mal visto pela aristocracia, em 1910, nesse mesmo ano era aplaudida e imitada na França, na Alemanha e na Inglaterra.

Enquanto alguns artistas brasileiros pensavam na valorização do que era nosso, outros  por desconhecem, não sentirem a arte, ou por estarem ligados à burocracia e a política, cultivavam opiniões preconceituosas e davam preferência ao que era aparentemente mais sofisticado só por ser estrangeiro. Refiro-me à elite brasileira do início da República na pessoa do prolixo Rui Barbosa que criticou a peça "Corta Jaca" da Chiquinha Gonzaga e Machado Careca por ter sido executada por Catullo ao violão e pela senhora Nair de Tefé, esposa do então presidente Hermes da Fonseca, no palácio do governo em uma festa.  Antes dos anos 20, o preconceito era grande para com a música da plebe e até mesmo o violão sofria discriminação por ser tido como instrumento de malandro.

A 7 de novembro de 1914 em discurso no Senado Federal o famigerado Rui se pronunciou:

"Uma das folhas de ontem estampou em fac-símile o programa de recepção presidencial em que, diante do corpo diplomático, da mais fina sociedade do Rio de Janeiro, aqueles que deviam dar ao país o exemplo das maneiras mais distintas e dos costumes mais reservados elevaram o "Corta-jaca" à altura de uma instituição social. Mas o "Corta-jaca" de que eu ouvira falar há muito tempo, o que vem a ser ele, sr. Presidente? A mais baixa, a mais chula, a mais grosseira de todas as danças selvagens, a irmã gêmea do batuque, do cateretê e do samba. Mas nas recepções presidenciais o "Corta-jaca" é executado com todas as honras da música de Wagner, e não se quer que a consciência deste país se revolte, que as nossas faces se enrubesçam e que a mocidade se ria!

Mas é isso, tivemos e ainda temos que engolir o que alguns "donos da verdade" impõem.

Registros da época nos dizem que no início do século XX o Rio de Janeiro era uma das cidades do mundo que mais possuía pianos em suas casas. Quase não havia clubes, a aristocracia fazia suas festas em suas residências, esses eventos tinham o nome de saraus.

O que havia de erudito no fim do século XIX eram as criações do maestro Carlos Gomes, o maior criador de óperas do nosso país.

Para ouvir o "Corta Jaca" e ter noção da dança grosseira e selvagem que o polímata Águia de Aia disse que era, acesse:     https://www.youtube.com/watch?v=4wfrA54BMZg

Continua na próxima edição.

Agamenon Viana

É poeta, escritor de contos e crônicas e membro da ACADEMIA ARACATIENSE DE LETRAS, cadeira 28. É compositor e protagonista de vários estilos musicais, os quais ele mesmo arranja e interpreta. É violonista, mas recentemente passou a usar também a viola caipira. Fez apresentações em programas de televisão em Fortaleza, na TV DIÁRIO, TVC e TV ASSEMBLÉIA, sempre divulgando suas inéditas criações e sendo um defensor da cultura popular e as tradições do sertão nordestino.


Agamenon Viana

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados