Previsão do Tempo

RUSSAS

25ºC

COLUNISTAS / CARLOS EUGÊNIO

Melhores poesias de 2014

Óticas Diniz

Carlos Eugênio

02/02/2015

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

A arte de escrever é um oficio que satisfaz a alma. O retorno a quem dedica seu tempo a essa árdua missão, chega lentamente. Mas, apesar de poucos anos de dedicação, já conquistei alguns destaques nacionais que alimenta o desejo de continuar escrevendo. Através de concursos literários, tenho levado o nome do município de Russas aos mais longínquos lugares. Já tenho mais de 100 participações em antologias literárias, com livros impressos, em parceria com escritores de todos os estados brasileiros e, de outros países, como por exemplo: Portugal e Estados Unidos. Em cada antologia publicada, minha biografia vai agregada ao nome de Russas e do estado do Ceará.
     Em 2013, o conto “Alvorada de violino” foi destaque entre os melhores contos do ano, publicados pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE). Em 2015, o retorno veio com o gênero poema. A poesia “Alma desnuda” foi selecionada entre as melhores de 2014. A premiação veio com um diploma de qualidade literária, expedido pela CBJE, em parceria com a LitterariaAcademiae Lima Barreto – Rio de Janeiro.
     Como descreve o editor Luiz Carlos Martins: “É mais do que um livro, o Panorama Literário Brasileiro é um documento histórico. Ele registra as melhores poesias inscritas para as seletivas da CBJE durante nosso ano editorial (período outubro 2013/setembro 2014). Neste ano, como no ano passado, a seleção das obras ficou a cargo dos Acadêmicos do 1º Colegiado de Escritores Brasileiros, órgão executivo da LitterariaAcademiae Lima Barreto, no Rio de Janeiro. Este é o 11º ano consecutivo que está sendo publicado, e temos certeza de que reeditará o mesmo sucesso das edições anteriores. Com esta Edição 2014/2015, a CBJE consolida mais ainda o seu objetivo de fazer das nossas publicações obras de referência da Literatura Brasileira Contemporânea”.
     Segue o poema premiado entre os melhores de 2014 e publicado no livro Panorama Literário Brasileiro:

Alma desnuda

Corpo insano no cair do entardecer
Com o sol cálido lá no alto da montanha
Enquanto os olhos aprisionam as lágrimas
O tormento é lavado em rios cativos
Como uma flor desfalecendo na manhã gelada
De órgãos inatos e o olhar frio.

A alma rompe o gelo do corpo insone
E os anelos aprisionados vencem as amarras
Com a dor extorquindo em seu desalento
Mas, os sonhos, que na memória aflora
Apascenta à tarde, em lírios de campos serenos.

Lágrimas que supostamente não têm fim...
Na intensa dor sufocando o peito
Nas palavras que denunciam descontentamento.

Mas o pólen das flores traz acalento
Libertando das jaulas do desamor
As premissas de um cemitério em desolação
Semeando vestígios de fluidos luzentes de amor.

Soa a êxtase, em uma exímia canção
Na singeleza da vida e no voo dos pássaros
A alma desnuda ganha vestes
Percebe que a luz rompe as trevas
E a languidez é embebida por crispais sorrisos
Já o luar, perdido, é recuperado num longo abraço.


Carlos Eugênio

Nasceu em Russas - CE. Graduado em Português Licenciatura Plena pela Universidade Vale do Acaraú; (UVA), Especialista em Ensino da Matemática e Física pela Faculdade Vale do Salgado (FVS). Professor, colunista do Jornal Correio de Russas e da TV Russas.

Carlos Eugênio

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados