Previsão do Tempo

RUSSAS

25ºC

COLUNISTAS / AIRTON MARANHÃO (IN MEMORIAN)

Lampião no Serrote da Tapera

Óticas Diniz

Airton Maranhão (in memorian)

27/09/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Na mente dos mais imbecis dos indivíduos das entidades fantásticas e das personalidades dos gênios imortais de toda história, sem qualquer lenda de malefício, presságio e encantamento, muitos desses santos, deuses e animais irracionais, ainda acreditam que o único inseto que foi impedido de embarcar na Arca de Noé, foi o cupim. Que com um cérebro poderoso, profundo e impenetrável, persegue a humanidade perfurando falhas e fissuras de pirâmides, castelos, museus, catedrais e mausoléus e o dilúvio não conseguiu exterminá-lo da face da terra. O cupim sobreviveu com fome de alimentação para mudar o mundo e a aparência selvagem da cara-de-pau do político ladrão, que não sabe como ocultar a riqueza adquirida com a roubalheira dos cofres públicos, na estratégia de afanar o pobre miserável, a cuia dos cegos, a muleta dos aleijados, a merenda das crianças, o hospício dos loucos, o remédio dos enfermos, o albergue dos idosos, numa tragédia de comoção global. Quando o cara-de-pau, que não merece nem um túmulo triste, ainda mais como dizem o epitáfio de Newton, "um ornamento da humanidade”, não por arrependimento, mas por fracasso. O “verme da madeira” findará o halo destruidor dos caras-de-pau, para não imitar a experiência do Lampião, famoso capitão Virgulino Ferreira, o “Rei do Cangaço”, com o seu tesouro e armas, que armazenou em grandes caixões revestidos com madeira-mel-madeira, para o cupim não findar sua riqueza. Dizem que além do cupim, existem dois insetos nocivos à sociedade, considerados como os piores insetos que já pisaram na face da terra. O político ladrão, que rouba, mente e promete o inimaginável e o impossível, sem definir um partido político sólido, com democracia sustentável de autêntico político, sem fantasia de grupos de retalhos, que persistem por interesses eleitorais, enriquecer a custa dos fanáticos catacegos e dos cegos medievais, que acreditam em conto de fadas e nas mentiras do velho Moacir, que dizia que o Abominável Homem das Neves caminhava pelas areias brancas do Tabuleiro dos Negros, à margem da lagoa Caiçara. E como arrogava o prof. Fábio Ramalho, que a lagoa Caiçara tinha sido berço de baleia, e das suas profundezas emergia o monstro do Loch Ness. E como diz o Piano Miau, que nas noites de lua cheia, a sombria face branca de Michael Jackson surge no muro do cemitério dos Bons Aflitos. E como narra o jornalista Francisco Gomes

Segundo no seu artigo no DN, Recado do Lampião: “O velho mercado público não foi aberto para se vender carne. Leleco, o zelador da feira, não apareceu para bater o sino da Cachorra Magra, apenas um homem valente, chamado Joaquim Félix (o patriarca da família Félix) circulava pela calçada do mercado velho, na Rua Raul Vieira, com um rifle e muita bala à espera do confronto com o bando do Lampião.” E o segundo ser nocivo à sociedade é o que representa os Direitos Humanos, por trás da (Declaração Universal dos Direitos do Homem) que só existe no papel, e que ao invés de estabelecer a paz entre as nações, consenso entre os povos, e a igualdade entre a família da vítima e do condenado, simplesmente defende o ladrão, o homicida, o corrupto, o traficante, o latrocida, o estuprador, o pedófilo, a zelar por sua saúde, sua mente e seu bem-estar no presídio, para que a família do presidiário receba auxílio-reclusão e o preso, receba a metade dessa bolsa detenção, para imortalizá-lo e transformá-lo de um marginal em herói. Embora tenha cometido crimes hediondos dos mais cruéis, brutais, espantosos e horrendos. Enquanto a família da vítima morre de fome, sem emprego e sem amparo de nada. Nem mesmo da proteção dos Direitos Humanos ou do governo democrático. Por que diferenciar esses valores para com a vida, para com a dignidade humana, para com a igualdade perante a lei, como princípio básico da ética política e social, aplicados a todos os indivíduos, se todos são iguais perante a lei? Como disse Anna Maria Pertl Mozart, mãe do gênio Amadeus Mozart: “Numerosos foram aqueles que souberam explorar sua bondade, sem que ele tenha jamais percebido.” Lampião foi um dos que soube explorar a bondade, ao esconder o tesouro e suas armas. Quem sabe dizer por que os historiadores ficam assombrados para não revelar onde Lampião deixou escondido seu tesouro e suas armas? Para não revelar que o cangaceiro Chico Chicote, que assassinou o cearense Delmiro Gouveia, morreu heroicamente, lutando contra o exército de mais de trinta homens da força policial do Ceará, Pernambuco e Paraíba, para não confessar que cangaceiros, dos menos conhecidos facínoras, que macacos e volantes exterminavam às ocultas, tinham os seus cadáveres vendidos às faculdades de medicina, para os mais aberrantes estudos nos centros anatômicos. E para não descobrir que já existiam estrangeiros pesquisando os ETs do Serrote da Tapera, enquanto os historiadores nacionais já rastejavam nos carrascais e pedregulhos, empestados de cascavéis e serpentes venenosas, a pesquisarem a antropofagia e o canibalismo dos cangaceiros mais sanguinários. Sem negar que eram descendentes dos índios canibais Cunhambebes, do Rio de Janeiro, que comiam os portugueses e devoravam franceses nas águas Guanabara, coisa que não narrou o padre José de Anchieta. Que na caatinga dos mandacarus, longe da terra-mater, pequeninos ETs já perambulavam na intenção de descobrir o segredo da estiagem da gota serena, que causava os horríveis temores, a mais desconhecida solidão e as mais profundas angústias aos nordestinos que matavam a sede com as próprias lágrimas. Isso não é sonho dos visionários que evitam revelar que o Serrote da Tapera, no distrito de Peixes, o mais recôndito valhacouto do mais cruel e sanguinário cangaceiro, Virgulino Lampião, que teve encontro marcado com extraterrestres, que a se exibir, comandava o seu grupo, como pincela o quadro perfeito desses cangaceiros, Xavier de Oliveira: “grande chapéu de couro, quebrado adiante e atrás, meio Napoleão, de largo barbicacho à testa, alparcatas de rabicho, lenço encarnado ao pescoço, arma longa e curta, cartucheira e punhal”, deixou enterrado na gruta da Tapera, onde descem ETs, o seu mapa astral, tesouro e as armas, armazenados em grandes caixões revestidos com madeira-mel-madeira, onde estão preservados do cupim, até que sejam revelados pelos ETs dos discos voadores que povoam o município de Russas, principalmente no Serrote da Tapera. Onde existem canais energéticos – meridional – lugar místico considerado como um ponto especial por se concentrar a energia que movimenta os discos voadores, como certificou a revista Italiana, de nome Hera.

Airton Maranhão (in memorian)

.Originário de Russas – CE. Formado em Direito pela Universidade de Fortaleza – Unifor, advogado militante da Comarca de Fortaleza, e romancista. Livros publicados: Deusurubu, Admirável Povo de São Bernardo das Éguas Ruças. Romances: A Dança da Caipora, Os Mortos Não Querem Volta e O Hóspede das Eras. Membro da ARCA – Academia Russana de Cultura e Arte.

Airton Maranhão (in memorian)

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados