Previsão do Tempo

RUSSAS

28ºC

COLUNISTAS / HILDEBERTO AQUINO

Os porquês das Manifestações.

Óticas Diniz

Hildeberto Aquino

26/06/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Analistas de todos os gêneros e tendências tentam interpretar (à sua maneira) as manifestações populares ocorridas em nosso País, embora nos pareçam óbvias, mas que apenas contidas pelo caráter pacífico, quase negligente, do brasileiro - o mesmo que quando quer de repente acorda, vai às ruas, explode, demonstra civilidade ao exteriorizar seus sentimentos de indignação contra tudo e todos os desmandos que vivenciamos e que permanecem sem resposta da parte de nossas relapsas autoridades. Tornou-se insuportável tanto descaso, tamanha apatia observadas com relação aos que têm por obrigação zelar pelo bem público, em todas os escalões do Poder, mas que, criminosa e impunimente, negligenciam. E aqui ninguém é inocente. Políticos - os mais relapsos e a classe onde se encontra grande número de corruptos, como se noticia - permanecem indolentes... um Congresso vazio. Temos uma Justiça que além de sua crônica, assumida e injustificada lerdeza (altamente nociva ao nosso povo) é relativamente conivente com tudo o que de ruim que agrava a nossa sociedade, na medida em que reluta ou adia punições contra os que conspiram, sistematicamente, contra o povo. Da empáfia aliada à inépcia e lassidão do Executivo, cansamo-nos todos. E não adianta querer imputar culpa maior aos considerados “baderneiros” pela exclusividade dos atos violentos tão bem (dentro das suas conveniências ideológicas e empresariais) explorados pela mídia. Policiais também agrediram, mesmo que sob ordens.

É oportuno lembrar que os gritos de descontentamentos dos brasileiros são similares aos que nos habituamos presenciar nas TVs de todo o mundo. Há pouco dias foram os jovens “baderneiros” suecos que depredaram em Estocolmo, capital da Suécia - país de primeiríssimo mundo. Lá também o povo externa reações de inconformismo equiparadas as que aqui presenciamos. E não fica restrito somente à Suécia. No mundo todo testemunhamos essa prática e talvez por muito menos do que padecemos aqui no Brasil. Se nossos analistas e autoridades (políticos em especial) não encontram as razões para as manifestações e até para os “excessos”, temos sim! e sobejamente. O que lhes falta é argúcia para interpretar o grito das ruas aliada à falta de determinação política para diligenciar providências corretivas com a oportunidade  que se impõem, mas que não as adotam, injustificadamente.

Enquanto isso, a Excelentíssima Presidente Dilma Rousseff, atônita e talvez sob influência, surpreende-nos ainda mais ao sugerir até plebiscito para uma constituinte e assim proceder a abusivamente protelada “Reforma Política” (pendente no Congresso há mais de 20 anos), quando poderia agir com mais eficácia ao sugeri-la, se realmente imprescindível, mediante um Projeto de Emenda Constitucional. E quem nos assegura que a tal reforma, que seria feita pelos mesmos políticos e em procedimentos corporativistas, resolveria os problemas do País? Não cremos! Atentemos mais que em 21 de junho de 2013, no pico da crise, a Presidente homologou a lei 12.830/13 - o que anteciparia a PEC 37 e concentraria o poder de investigação na polícia, praticamente alijando o Ministério Público dessa incumbência. Tentativa inócua já que a PEC foi derrubada já em 26. Infere-se, por conseguinte, o real propósito dessa lei que seria o de criar um instrumento facilitador que poderia beneficiar e facilitar ações de corruptos - conhecidos e os demais futuros pretendentes que ousassem. Chega de paliativos que se tornam atos meramente protelatórios e basta de promessas sobre promessas que nunca se concretizam. Não dá mais! O Povo quer atitudes firmes, concretas, eficazes e oportunas.  

Aos pacifistas  e “baderneiros” circunstanciais, que não paremos por aqui. Demos apenas um grande passo e devemos prosseguir nesse ato de CIDADANIA sempre que oportuno, porque só assim eles entenderão o clamor do povo – meu, seu, de todos nós!

Hildeberto Aquino

Nascido em Crato (CE). Formação: Língua Portuguesa e pós-graduado em Gestão Escolar. Ex-funcionário do Banco do Brasil, 1972/1997, assumiu em Russas em 1982. Corretor de Imóveis. Articulista (crônicas e poesias). Meu lema: "Indigne-se por você e por todos contra as injustiças, quais forem. Clame, exija, exerça a sua cidadania e não seja mais um abmudo!" José HILDEBERTO Jamacaru de AQUINO

Hildeberto Aquino

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados