Previsão do Tempo

RUSSAS

26ºC

COLUNISTAS / HIDER ALBUQUERQUE

As Irmandades de Nossa Senhora do Rosário: Afro-fé

Óticas Diniz

Hider Albuquerque

24/06/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Durante o Brasil colonial, era comum entre os africanos e afro-brasileiros forros (livres) uma ligação de fé a alguns santos e santas católicos, como São Benedito, Santa Efigênia e, particularmente, Nossa Senhora do Rosário, por ter sido essa, a primeira Confraria dos negros que conseguiram permissão para a construção de uma igreja específica para a comunidade negra. A Igreja do Rosário dos Pretos, começada sua construção em 1704 foi lentamente sendo construída e hoje é um dos templos mais visitados da Bahia, inclusive com um cemitério dentro da igreja onde estão enterrados vários homens e mulheres da sociedade negra colonial.

 

Essa vinculação teve repercussão imediata na colônia, uma instância de resistência através da fé e da cultura, dos modos de vida e da luta dos povos afro-brasileiros. Aqui no município de Russas, achamos no início do livro “Russas: Capital e Santuário” do Pe. Pedro de Alcântara, a informação através de transcrições que a Igreja instalou a Paróquia com o título de Nossa Senhora do Rosário a pedido do doador das terras para a igreja o Comissário Teodósio Abreu de Gracismão em 1707.

 

Sabemos que antes mesmo da construção do forte de São Francisco Xavier, a chegada de escravos e vaqueiros negros nos currais de criação de gado era uma realidade. Digo antes da construção do forte, porque para ele, o forte, foi enviado um pelotão do Terço dos Homens Negros (ou Terço dos Rodrigues), como vemos a seguir:

 

“... de uma portaria de 08 de novembro de 1697, ordenando ao almoxarife da Fazenda Real o envio de meia farda aos 30 milicianos negros designados para se situarem no Jaguaribe (Forte de São Francisco Xavier)...” (p. 93).[1]

 

Sobre a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de Russas, podemos observar nas duas vertentes étnicas que permeiam as primeiras congregações da cidade a divisão da mesma igreja com denominações apenas em seu final. A primeira Irmandade surgiu em 1728 com a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Negros, ou, Irmandade do Rosário dos Pretos.[2]

 

Com a criação da nova Matriz em 1735, é criada também toda as instâncias administrativas e canônicas na condução da mentalidade daquela sociedade em construção. Também é criada a Irmandade do Rosário dos Brancos. Sobre o mesmo símbolo religioso, três etnias começavam a se interligar culturalmente, ao passo que os Congos de Rei e as benzedeiras ou benzedores, que lembram as pajelanças, estavam introduzindo e mantendo viva nos parâmetros do cristianismo do português colonizador, suas impressões do mundo religioso e suas culturas.



[1] Nobre, Geraldo. “O Ceará em Preto e Branco”. Ed. Gráfica Editorial Fortaleza Ltda.; Fortaleza: 1988.

[2] Araújo, Pe. Pedro de Alcântara. “Russas: Capital e Santuário”, Ed. IOCE, 1985.

Hider Albuquerque

Professor especialista em ensino de História; Historiador Pesquisador; Escritor; membro da diretoria da Academia Russana de Cultura e Arte (ARCA); Compositor e ligado ao movimento Cultural de Russas Fez parte do Grupo Teatral Arco-Iris; membro fundador da OFICARTE Teatro e Cia; Professor na EEM - Escola Manuel Matoso Filho; Blogueiro.

Hider Albuquerque

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados