Previsão do Tempo

RUSSAS

24ºC

COLUNISTAS / HILDEBERTO AQUINO

Estádios/arenas justificam-se?

Óticas Diniz

Hildeberto Aquino

20/05/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Estádios para a prática exclusiva de futebol, atualmente denominados arenas (o que sugere mais anfiteatros romanos onde gladiadores travavam combates, sacrificavam prisioneiros entre feras, etc.) nestes tempos não passam de bandejões nababescos que concentram pessoas onde grande parte é consciente e constituída de desportistas convictos, mas se tornam ringues na medida em que estão cada vez mais infiltrados por vândalos, baderneiros incorrigíveis, sem a mínima noção de sociabilidade, esportividade e do que é um bem público. (Corrijo: era público, já que estão privatizando tudo o que foi edificado com o dinheiro público - nosso dinheiro.)  E agridem sistematicamente quem lhes atravesse o caminho. Violência que extrapola o limite dos estádios já que dentro e fora matam, picham, quebram ônibus e metrôs, impunimente. Raro é o “clássico” no qual não há roubos, vandalismo, mortes, sem falar que tratamos de um futebol coxo, decadente, já pessimamente classificado no ranking mundial da ojerizada FIFA e que remunera regia e inversamente proporcional ao talento a maioria dos atletas enquanto os clubes, raras exceções, continuam endividados, alguns falidos até.
Cremos uma péssima e eleitoreira inversão de recursos governamentais, em especial quando há hospitais sem médicos, leitos e equipamentos; escolas em ruínas com professores mal remunerados e um país sem estradas e ferrovias sequer para escoar a produção. Enquanto isso, a mídia esportiva que sobrevive do futebol onde prevalece o interesse comercial, inconsequentemente insiste em exaltá-lo em detrimento dos demais esportes. Qualquer lance comum já passa a ser considerado uma genialidade pelos locutores e comentaristas no “País do Futebol”. E aquele jogador medíocre, mas que casualmente acertou talvez a única boa jogada da sua vida, já é exaltado, entronado como craque, rei, imperador e outras baboseiras e, pasmem, já é cogitado para integrar a “seleção” canarinho, penta campeã... Aí surgem os discutidos “Felipões” da vida, “salvadores” da patria, a catar pernas-de-pau para compor o elenco da seleção de “ouro”. E tudo isso em detrimento dos demais esportes onde os atletas se desdobram para ter um preparo adequado na busca de medalhas para o País em eventos internacionais e mesmo locais. Eis que lhes falta proporcional assistência governamental e ainda lhes exigem medalhas.
Com o advento das copas futebolísticas, que excessivamente cobertas pela mídia, desvia-se facilmente a atenção de um povo dos seus problemas maiores e assim é que o Brasil tem sido insensatamente desgovernado.

Hildeberto Aquino

Nascido em Crato (CE). Formação: Língua Portuguesa e pós-graduado em Gestão Escolar. Ex-funcionário do Banco do Brasil, 1972/1997, assumiu em Russas em 1982. Corretor de Imóveis. Articulista (crônicas e poesias). Meu lema: "Indigne-se por você e por todos contra as injustiças, quais forem. Clame, exija, exerça a sua cidadania e não seja mais um abmudo!" José HILDEBERTO Jamacaru de AQUINO

Hildeberto Aquino

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados