Previsão do Tempo

RUSSAS

32ºC

COLUNISTAS / AIRTON MARANHÃO (IN MEMORIAN)

Chico Ensebado - O lobisomem de Russas

Óticas Diniz

Airton Maranhão (in memorian)

09/05/2013

Enviar por e-mail
Imprimir notícia

Existem coisas neste mundo, interessantes, bizarras, estranhas e por sua vez difícil de compreender e narrar como nesse caso patético que aconteceu na cidade de Russas, que ainda causa espanto e medo, pavor e curiosidade às ninfetas russanas. Ao desmascarar o falso moralista de expressão sardônica, no achincalhamento de louvores gratuitos, reverência de desonra e dedicatórias de humilhação, devidos os impulsos fatídicos de besta fera sedutor. No destacar-se como lobisomem ensebado, com horrorosa e grotesca comenda que o enalteceu nas memórias do conquistador do assombro. Pela grandeza iluminada de sua distinção de idiota, reverenciado como o sábio dos mistérios das chaves secretas. E com o imenso talento bestial de abrir as fechaduras enigmáticas das portas. Trata-se de uma história verídica, digna de ser lembrada como um dos fatos mais herméticos de transformação de um ser esquisito que assumia variedades de formas, e quando conseguia as condições ideais, surgia por traz da penumbra nos quartos das jovens consideradas as mais atraentes, que disputadas pela figura misteriosa, harmonizava-se iluminado pelo clarão dos corações em chama ao observar as donzelas nuas. Quem pensava que era o fantasma do Pe. André de Soveral, que costumava a assombrar o casarão de Francisco Felipe, na Pitombeira, o sobrado mal-assombrado de José Ramalho de Alarcon e Santiago, na Avenida Dom Lino e o casario do Manuel Anselmo, fundador do espiritismo em nossa terra, estava enganado. São poucas as casas mal-assombradas que existe em nosso município, mas como um vulto escorregadio e demoníaco, surgia na madrugada dentro das moradias russanas, como uma visagem lasciva, de corpo liso, nu e ensebado, que ninguém conseguia segura-lo. E as façanhas do lobisomem corriam soltas pela cidade. Não havia ninguém no vale jaguaribano que correspondesse à sua descrição, que deixou registrado uma das histórias e a mais fascinante dos admiradores da beleza humana, das mulheres, que o passado de Russas conheceu. Mas aquele ser esquivo de impulsos misteriosos, muito longe de ser um ladrão, um louco ou um deflorador, conhecido como ficou à época como o Lobisomem de Russas, era apenas o inofensivo Chico Ensebado, um simples chaveiro da cidade que morava na Travessa José Vieira, localizada entre o antigo Sandu e o Convento das freiras. Ensebado, de um dia para o outro, na simplicidade de sua profissão de chaveiro, com algo esquisito num olhar sensível de ternura, tornou-se um ser sutil, erótico e desconhecido, amante da beleza e da perfeição feminina. E como um exímio chaveiro, fazia chaves das portas das casas, uma para o dono e outra para ele, depois de experimentá-las nas fechaduras, guardava uma cópia. À noite, na morbidez dos corcundas sádicos, derretia o sebo, passava no corpo nu e saía pelas ruas a escolher a casa de uma bela mulher. E na penumbra penetrava com os olhos arregalados como de uma coruja no mistério dos contrastes assombrosos para somente admirar as moças despidas, a luz de uma vela no criado-mudo ou de uma lamparina perto do oratório. Ninguém sabia quem era o afamado Lobisomem de Russas, mas uma noite, ao observar uma jovem dormindo, e por ter sido delatado, vítima da traição de sua mulher, Joana do Ensebado, findou assim tragicamente a história do Lobisomem de Russas. A tão misteriosa e ensebada criatura, que ao abrir devagarzinho a porta com a chave dupla e penetrar no quarto onde já esperava a jovem, ela empurrou o pau-de-sebo, trancou-o no quarto e chamou a polícia. Chico Ensebado foi preso em flagrante delito para sua tristeza, e depois que o fantasmal delinqüente foi solto não ligou mais para Joana, sem esperar a sentença do processo criminal, o pau-de-sebo, Chico Ensebado sumiu da cidade e nunca mais em Russas apareceu Lobisomem.

Airton Maranhão (in memorian)

.Originário de Russas – CE. Formado em Direito pela Universidade de Fortaleza – Unifor, advogado militante da Comarca de Fortaleza, e romancista. Livros publicados: Deusurubu, Admirável Povo de São Bernardo das Éguas Ruças. Romances: A Dança da Caipora, Os Mortos Não Querem Volta e O Hóspede das Eras. Membro da ARCA – Academia Russana de Cultura e Arte.

Airton Maranhão (in memorian)

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da TV RUSSAS. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. TV RUSSAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
PUBLICIDADE | ANUNCIE

VITRINE

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Soundcloud
  • Youtube

©2009 - 2017 TV Russas - Conectando você à informação

www.tvrussas.com.br - Todos os direitos reservados